Lá vamos nós outra vez! Portugal vai disputar o seu sexto campeonato do mundo, o quatro consecutivo. Desde 2000 que a formação lusa não falha a fase final de um Mundial ou Europeu, consolidando assim uma posição de destaque no universo futebolístico, espelhada nos lugares cimeiros do ranking da FIFA.

 

Há quatro anos na África do Sul, a equipa comandada por Carlos Queiroz foi eliminada nos oitavos-de-final pela Espanha, que arrebatou o título. Em 2006 na Alemanha, Luiz Felipe Scolari levou a selecção portuguesa ao quarto lugar, afastada da final pela França, e em 2002, na Coreia/Japão, o mau desempenho não permitiu passar da fase de grupos.

Em 2014, à semelhança de 2010, foi necessário disputar um play-off para conseguir a qualificação. O favoritismo que era atribuído à selecção orientada por Paulo Bento aquando do sorteio do grupo acabou por não se confirmar em campo, com os empates diante da Irlanda do Norte e Israel a comprometeram o apuramento directo, em claro beneficio da Rússia. Acabou por ser Cristiano Ronaldo a “resolver”, com quatro golos, nos dois jogos decisivos diante da Suécia. E Brasil, aqui vamos nós!

Com “o melhor do mundo” na comitiva, Portugal aspira a ultrapassar a fase de grupos, onde a Alemanha é o principal obstáculo. Depois será jogo a jogo, confiando na capacidade de Ronaldo para surpreender. Além de CR7, a formação nacional conta com Rui Patrício, Pepe, Bruno Alves, Fábio Coentrão, Raúl Meireles e João Moutinho, entre as principais opções do seleccionador, num “onze” muito próximo do que disputou o Europeu há dois anos.

Leia a notícia detalhada na edição da 1.ª quinzena de Junho