Balanço muito positivo no primeiro ano da Rotary de Albergaria-a-Velha. Foi um percurso de afirmação, projetos, parcerias e muito dinamismo. Num curto espaço de tempo este clube tem conseguido fazer a diferença no território, aliás como era o lema deste ano rotário. Agora, inicia-se um novo ciclo, José Laranjeira sucede a Carlos Goulart e mostra-se empenhado em consolidar este projeto. A transmissão de tarefas aconteceu no passado dia 5 de Julho, na Biblioteca Municipal. A cerimónia contou, ainda, com a entrega do prémio de mérito escolar a alunos do concelho. Carlos Goulart despediu-se da presidência do Rotary com uma certeza: “O Rotary mudou a minha vida para sempre tornando-me hoje um pouco melhor”.

Já José Laranjeira, no seu primeiro discurso enquanto presidente, mostrou-se empenhado em fazer “consolidar e crescer o trabalho do Rotary Clube de Albergaria-a-Velha”, apostando, para isso, na “intervenção em áreas relevantes na comunidade. O rotário acrescentou, ainda, que, “todos somos importantes para consolidar e fazer crescer o trabalho do Rotary Club de Albergaria-a-Velha”. Laranjeira não esqueceu o trabalho desenvolvido pelo seu antecessor “foste um grande presidente”, destacou, fazendo referência ao que considera “um grande trabalho desenvolvido”.

Leia a notícia na integra na edição impressa do Jornal Beira Vouga

O mês de Julho tem trazido ainda mais animação à Praça. Oficinas de leitura e gastronomia, música e muito mais. O verão tem sido em cheio, neste que é o coração da cidade. Até ao final do mês ainda há muitos motivos extra para ir à Praça. Na noite de 21, a música regressa ao palco d’ A Praça com o Grupo de Cavaquinhos da Universidade Sénior de Albergaria-a Velha, que irão interpretar melodias tradicionais bem conhecidas do público. Já no dia 25, quarta-feira, os munícipes a fazer compras no novo Mercado Municipal “arriscam-se” a ser envolvidos numa flash mob que promete energizar a manhã.

Leia a notícia na integra na edição impressa do Jornal Beira Vouga

As Salas Snoezelen e de Integração Sensorial, dois espaços de intervenção junto de pessoas portadoras de deficiência ou incapacidade, realizaram 2. 264 sessões no ano letivo 2017/2018, um aumento de 16 por cento em relação ao ano anterior. No referido período foram acompanhados um total de 52 utentes. As Salas Snoezelen e de Integração Sensorial fazem parte do projeto municipal Incluir+ e constituem uma resposta individual e eficaz às necessidades dos munícipes portadores de deficiência ou incapacidade e/ou problemas sensoriais ou do foro neurológico, contribuindo para o pleno desenvolvimento bio-psico-social e consequentemente para a inclusão social. “No primeiro ano de abertura, em 2015/2016, realizaram-se 925 sessões e o número tem aumentado de forma progressiva, o que demonstra que as salas estão a ter um papel positivo na melhoria da qualidade de vida dos utentes. É de referir que cerca de 43 por cento dos utilizadores das salas, no ano passado, foram crianças, com idades inferiores aos 12 anos, na sua maioria, do género masculino”, destaca a Autarquia. Até ao dia 2 de Agosto a Câmara Municipal tem aberto o período de candidaturas à utilização das Salas Snoezelen e de Integração Sensorial para o ano letivo 2018/2019.

Leia a notícia na integra na edição impressa do Jornal Beira Vouga

O Banco de Livros Escolares do Município de Albergaria-a-Velha tem aberto o período de requisição de manuais escolares, cadernos de atividade e livros de apoio para o ano letivo 2018/2019. As famílias interessadas em fazer uma requisição de livros devem dirigir-se à Biblioteca Municipal e preencher um formulário próprio. A atribuição de manuais é realizada no início de setembro, tendo como critérios a ordem de inscrição e a situação de carência socioeconómica. Todos os estudantes que beneficiem de empréstimos devem proceder à devolução dos livros no final do ano letivo.

Leia a notícia na integra na edição impressa do Jornal Beira Vouga

Recentemente, foi instalada no exterior da Farmácia Confiança uma nova Caixa Multibanco (ATM) que vai permitir às pessoas que vivem mais a norte desta vila/freguesia um acesso mais rápido a este serviço. O comércio estava a sofrer as consequências do encerramento do balcão da CGD e mais tarde, a desativação das ATM, o que levantou algum mau estar e até protestos da população.

Leia a notícia na integra na edição impressa do Jornal Beira Vouga