Adérito Ferreira Pinto é o candidato do Movimento Partido da Terra à Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha. Em entrevista ao Jornal Beira Vouga, apesar do apoio partidário, destaca o cariz independente desta candidatura. O apoio partidário de cerca de 300€, que como defende, Adérito Ferreira Pinto “continua-se a sentir que não há igualdade de oportunidades e pretende-se, logo à partida, arrumar quem pode vir estragar as sondagens ou contabilidade de votos”, não intimida esta candidatura que espera aglutinar os votos dos não partidários e surpreender nas urnas.

Jornal Beira Vouga (JBV)- Porque é que decidiu candidatar-se à Câmara Municipal?

Adérito Ferreira Pinto (AFP)-Sou um candidato independente (sem filiação ou militante de qualquer partido já devidamente legalizado), porque nenhum deles concretiza a minha visão global de governação autárquica (incluindo o MPT, na generalidade, pese embora apoiar todos os elementos independentes da lista), denotando que existe espaço político para intervir como força de cidadania apartidária. Por saber que, como eu, existem cerca de 40% de eleitores, que não se revêem nos projetos dos partidos existentes, sendo simplesmente aliciados pela “caça ao voto” dos outros partidos que não os ouvem, nem lhes dão voz nas decisões que tomam, mas cujo voto destes independentes tem um enorme peso, que estes mesmos não têm noção e contrariamente desperdiçam esta oportunidade de se fazerem ouvir, refugiando-se no desânimo e na desmotivação, por tanta promessa não cumprida pela demagogia dos partidos existentes, que, por norma, se limitam a defender e a promover o clientelismo.

Leia a notícia na integra na edição impressa do Jornal Beira Vouga.